Quinta, 09 de abril de 2020
63 9-99741776
Geral

25/03/2020 ás 08h34

14

A Melhor Cobertura em Notícia

Taguatinga / TO

Estudante de medicina da UFT entra na Justiça pedindo para colar grau sem concluir o curso por causa do coronavírus
A universidade ainda pode recorrer.
Estudante de medicina da UFT entra na Justiça pedindo para colar grau sem concluir o curso por causa do coronavírus
Foto: Divulgação

Um estudante do curso de medicina da Universidade Federal do Tocantins (UFT) conseguiu uma liminar na Justiça Federal para colar grau antes de concluir a grade do curso e terminar o trabalho final. Ele alegou que há uma urgente demanda por médicos devido a pandemia de coronavírus. A universidade ainda pode recorrer.





Outros pedidos semelhantes foram autorizados pela Justiça Federal no Tocantins, mas a Universidade Federal do Tocantins informou que ainda não notificada. A antecipação da formatura de alunos que estão no sexto ano da graduação de medicina chegou a ser cogitada pelo ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta, mas ainda estaria sendo discutida pelo governo.




O acadêmico primeiro entrou com um mandado de segurança pedindo uma liminar para antecipação da colação de grau. No pedido, conforme a Justiça, ele confessou que não terminou a grade curricular e nem finalizou o trabalho de conclusão de curso, na modalidade artigo científico.




O juiz Adelmar Aires negou o pedido afirmando que não havia fundamento relevante para o pedido. “A pandemia sanitária vivenciada (coronavírus) atinge a todos indistintamente, não podendo ser invocada como fundamento para descumprir a formação acadêmica mínima exigida para a outorga de grau”, diz trecho da primeira decisão.




Logo depois o estudante entrou com embargos de declaração e o mesmo juiz mudou de ideia, determinando que a UFT faça uma avaliação de desempenho e antecipe a colação de grau do estudante.



Na nova decisão o juiz fala que há relevante fundamento no pedido. “O histórico escolar indica aparente desempenho acadêmico extraordinário porque as notas são altas e não há notícias de reprovações. O artigo 47, § 2º, da LDB autoriza antecipação da outorga do grau de bacharel ao aluno com desempenho acadêmico excepcional, o que deve ser avaliado por banca examinadora da instituição de ensino. Assim, há relevante fundamento na impetração”, diz trecho da nova decisão.




O juiz diz ainda que a avaliação poderá ser feita por videoconferência ou simples exame das notas do aluno por banca avaliadora. “Diante da pandemia mundial de coronavírus, a necessidade de médicos é fato mais do que notório, sendo de indiscutível urgência que mais profissionais médicos possam atender à população. Estão pressentes o relevante fundamento da impetração e o perigo da demora autorizadores da concessão liminar da segurança”, finaliza.


 


 


 


 


 


 


 


 


Informações G1/TO




O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2020 :: Todos os direitos reservados